“Choupette” a gata de Karl Lagerfeld

A gata “Choupette”, da raça Sagrado da Birmânia, entrou na vida de Karl Lagerfeld em dezembro de 2012, depois de o manequim e cantor francês Baptiste Giabiconi a ter deixado em casa do designer por uns dias.

“Choupette” era parte integrante da vida de Karl Lagerfeld, um ícone da moda e o revolucionário diretor artístico da Chanel. Acompanhava-o no seu dia-a-dia, entre coleções, viagens de avião privado e refeições à mesa. Foi destaque em várias revistas de moda e falada pelo designer em inúmeros artigos.

Tornou-se a musa do estilista que imaginava múltiplas coleções cápsulas em homenagem à sua companheira. “Ela é o centro do meu mundo, é uma espécie de Greta Garbo. Ela tem algo de inesquecível na sua maneira de se mover, inspira elegância e atitude”.

“Choupette” fez 7 anos em 16 de agosto passado, e é uma verdadeira estrela! Leva uma vida extravagante, com duas empregadas, um chef e um groomer, entre outras mordomias e muitos mimos.

Em 2014, foi lançado o livro “Choupette – The Private Life of a High-Flying Fashion Cat” escrito por Patrick Mauriès e Jean Christophe Napias.

 

Em 2014, foi lançado o livro “Choupette – The Private Life of a High-Flying Fashion Cat” editado pela Thames & Hudson e escrito por Patrick Mauriès e Jean Christophe Napias, onde são revelados alguns segredos da gata (imaginamos que muito, muito mimada) de Karl Lagerfeld. O livro está dividido em capítulos temáticos onde é descrita a dieta da gata, as suas dicas de moda, estilo de vida, ódios e amores secretos e até tem algumas receitas.

O célebre designer alemão, que morreu esta terça-feira, 19 de fevereiro, aos 85 anos, designou a sua gata como sua herdeira oficial, “entre outros” nomeados. Neste mesmo dia foi publicado uma nota de despedida de  “Choupette” ao Daddy, no seu website oficial.

Clique AQUI para voltar ao artigo principal da raça Sagrado da Birmânia.