O gato vê o dono como um gato “maior e não hostil”

Muitos donos tratam os seus gatos como filhos, pois cuidam deles, dão-lhe uma boa alimentação, assistência veterinária, brinquedos e muito carinho. Mas como é que o gato nos vê?

O gato vê a relação com o seu dono de uma forma muito diferente, de acordo com o livro “Cat Sense” do Dr. John Bradshaw, publicado em 2013, o gato vê o dono como um gato “maior e não hostil”.

O Dr. Bradshaw, biólogo na Universidade de Bristol, em Inglaterra, estuda o comportamento animal e os gatos em particular, há mais de 30 anos. O ponto de partida da sua análise é que os gatos ainda são essencialmente animais selvagens.

O autor do livro revela algumas explicações fascinantes para o porquê de algumas atitudes dos gatos quando estão com humanos. Uma vez que os gatos nunca foram criados para uma função específica que não seja serem bonitos, são menos domesticados do que as raças de cães que o homem selecionou para cobrar peças de caça ou guardar os seus bens.

Dado que 85% dos gatos se reproduzem com gatos ferais, de acordo com o livro, a espécie permaneceu relativamente selvagem. A interação entre os gatos e os seus donos é menos influenciada pelo comportamento aprendido do que pelo puro instinto.

Quando o gato amassa o nosso corpo ou uma cama, é um comportamento dirigido à barriga da sua mãe, para manter o leite a fluir. Esfregar-se contra a nossa perna ou mão é uma maneira de nos tratar como outro gato. “É a maneira mais clara do gato mostrar o seu afeto por nós”, explica o Dr. Bradshaw.

Deixar ratos mortos junto a casa não é uma maneira de “alimentar” os seus donos, os gatos querem um local seguro para comer a sua presa. Mas quando chegam a dar uma dentada na sua vítima, percebem que a comida que o seu humano lhe dá sabe bem melhor.

Por isso, da próxima vez que chamar “bebé” ao seu gato ou se queixar que ele é chato, lembre-se: ele pensa que você é um colega de casa relativamente agradável que, por acaso, é “muito grande”.